...Viver é querer ser feliz assim! A cada instante um novo motivo, cada por do sol um novo sorriso, cada amanhecer um brilho sem fim...



sábado, 31 de dezembro de 2011

Um brinde ao amor

[Foto extraída do google]
 


Passou dia após dia
Mas o sonho não passou
Ainda o vejo arrastar-se
Pelas estradas da vida
Apoiado na esperança

Ainda sinto o amor
A queimar-me o coração
Ainda sinto o gosto
Eterno de uma paixão
Debruçada sobre o tempo

Como um doce acalento
A embalar sonhos meus
Sussurrando em meus ouvidos
Palavras de aconchego
Que me levam para o céu

A esse amor ergo um brinde
Taça repleta de ausências
Mas o que é a presença,
Em meio a tanto devir,
Se o que quero sentir

É esse amor flamejando?
Em meu peito habitando
Relíquias em uma saudade
Que guardo pra eternidade
E vivo de vez em quando.

                Fran Sousa


sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo!

[Foto extraída do google]


O novo que se inicia
Venha repleto de sonhos
Muitos momentos risonhos
Que você em cada dia
Tenha muita alegria
Saúde e felicidade
Amor pela humanidade
Viva a vida com presteza
Respeitando a natureza
Sede amigo de verdade.

Ano Novo, vida nova,
Precisamos melhorar
Fé, esperança buscar,
Pra sairmos da alcova
Pois quando a fé se renova
Renasce no coração
Os desejos que estão
Guardados a sete chaves
Que torna a vida suave
Repleta de gratidão.

                Fran Sousa

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Um suspiro de saudade

[Foto extraída do google]

A vida passa depressa
O vento sopra faceiro
O tempo (inimigo oculto)
Trilha caminhos sem volta

Num cantinho qualquer
Escondido na imensidão
Desse campo florido
Uma flor tímida

Encharcada de orvalho
Espera os raios do sol
Para desabrochar
E exalar seu perfume

Flor dependente
Flor atingida pelos orvalhos
Duradouros da saudade
No mais recôndito da alma

Sente o escurecer
 Dos sonhos
E lentamente esconde-se
Esperando o reluzir do sol.

                  Fran Sousa

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Sonho desfeito no claro do dia

Monet (Nascer do sol)


Uma manhã radiante e silenciosa surge
Destruindo o último fio de esperança
Que a noite plantou no seco terreno
Dos sonhos ilusórios
O claro do dia anuncia a realidade
E o sonho se desfaz
Deixando no terreno seco
Um gosto doce de realidade
Que amarga o coração
Deixando pedras espalhadas
No beco por onde
Reinou em sonhos
A perfeita felicidade.

                  Fran Sousa



domingo, 25 de dezembro de 2011

O transeunte da solidão

[Foto extraída do google]

Nas ruínas desertas
Uma inquietação profunda
Um transeunte passeia

E distraído pisa sem querer
Na parte frágil dessa gruta
E causa um abismo

Abismo que se firma
Provocando aflição e medo
E um pedido de socorro

Soa silenciosamente
Ecoa nas paredes desertas
Vai além do que a garganta

Pode gritar
Um grito ensurdecedor
Um grito de socorro

Na caverna
Cansada de silêncio
E incompreensão

O transeunte passa
Despercebido
Sem se saber causador
De um abismo profundo.

           Fran Sousa



sábado, 24 de dezembro de 2011

Nada além do silêncio

Claude Monet




A observar a vida ela continua
Inerte em pensamentos
Vendo as horas passar.

Embriagada de espera
No torpor da madrugada
Um silêncio se instala em sua mente.

E no passar das horas
Ela vê esvair-se
A última gota de esperança.

Nada acontecerá na noite calma
Além da sua dor infinda
E esse silêncio que adentra a alma.

          Fran Sousa


 


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Disfarce

[Foto extraída do google]


Na doce manhã de dezembro
Os sonhos desfeitos ecoam
O brilho das luzes natalinas desbota.

O vermelho (puro disfarce)
É fantasia falsa ao coração

Precisa-se de felicidade!
Precisa-se do milagre!

O que toma os corações dos homens
É uma doce solidão.
E o amor permanece

Descendo ladeira, subindo morros,
Escorregando entre os becos
Vazios de amizade.

Quem dera que os homens vivessem
O espírito do Natal!
E trocassem a solidão colorida
Pelo brilho suave do amor,
E constantemente o vivessem!

                              Fran Sousa

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Francisco e o Natal


Natal é tempo de paz
Natal é tempo de luz
Foi no Natal que nasceu
Nosso menino Jesus.

São Francisco pai seráfico
Com inefável alegria
Com júbilo celebrava
O seu grandioso Dia.

E na noite de Natal
O Presépio preparou
Foi na cidade de Gréccio
Onde o Evangelho cantou.

Era a festa das festas
Ele assim o dizia
Rendia-lhe homenagem
Jesus, filho de Maria.

Pois a nossa salvação
Veio com seu nascimento
Por isso ele desejava
Que não faltasse o alimento.

E que neste grande dia
Não tão somente os homens
Também as aves do céu
Não padecessem a fome.

E que o rico neste dia
Para o pobre olhasse
E para as cotovias
O alimento plantasse.

Ouvi ó filhos de Deus
De São Francisco os conselhos
Sereis em sublime noite
De nosso pai o espelho.

E nesta noite bendita
Abri vossos corações
E que vossas santas bocas
Entoem lindas canções.

E repartamos o pão
Com o nosso irmão menor
Num gesto de caridade
Em homenagem ao Senhor.

Cuidemos dos animais
Cavalo, boi e jumento,
Todas as aves do céu
Não lhes falte o alimento.

Pois assim agradaremos
Ao nosso Pai criador
Jesus, que é luz e guia,
Nosso único Senhor.

                  Fran Sousa

DESEJO A TODOS UM FELIZ NATAL, E QUE A EXEMPLO DE FRANCISCO POSSAMOS VER NO NOSSO IRMÃO A FACE DE CRISTO!!!

ORDEM FRANCISCANA SECULAR DO BRASIL
Av. Treze de Maio, 23 - 22º andar - sala 2233
Ed. Darke - Centro - Cep 20031 - 902
Rio de Janeiro - RJ
Telefax: (21) 2240-4565 / 2516-3478

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Adeus ano velho

[Foto de Sonival Marinho]


Mais um ano que termina
E com ele caminho por caminhos sem fim
Permaneço na incógnita de sempre
A andar por campos desconhecidos
A pisar por terras estranhas
 A querer o impossível!

Olho para o fim da estrada que termina
E vejo a nova se aproximar
Trazendo meus antigos sonhos
Meus novos desejos
Minhas infindas inquietações.

E nessa nova estrada
Encontro-me como antes
Apenas um pouco mais velha
Trazendo em meu peito
A incógnita dos meus sonhos
Loucos, desvairados, assustadores,
Não por serem sonhos
Mas por viverem ancorados
No calabouço dos meus aposentos
A espera de realizações impossíveis.

                  Fran Sousa

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Desencontro

[Foto extraída do google]


Em êxtase ela senta-se
Na calçada da vida a esperar
Enfeita-se de expectativa
Perfuma-se de espera
Embriagada de um gozo infindo
Ela agoniza
O coração congelado
As pupilas faiscantes
E assim, vestida de amor,
Morre aos poucos
Vendo o tempo escorregar por entre os dedos.

                                       Fran Sousa

domingo, 18 de dezembro de 2011

No movimento do dia

[Foto extraída do google]




Passa carro, vento, redemoinho,
Passa ilusão, amor, alegria, esperança,
Passa um fio de desprezo por alguém
Passa um rio de amor por entre as frestas
Passa um desejo de voar
Para perto de montanhas distantes
Para perto de riachos tranquilos
Para perto de ventos brandos

No movimento do dia

Um silêncio pesaroso de saudade
Passa a reinar nas ruínas desertas
Desse reino abandonado.

                               Fran Sousa

sábado, 17 de dezembro de 2011

Um dia especial



Na estrada da vida
Já trilhei muitos caminhos
Já passei muito sufoco
Já derramei muita lágrima
E aprendi com a vida
A não fugir de mim mesma
A ver-me com olhos astutos
A decidir-me por mim
E hoje agradeço a Deus
Por me guiar na estrada
Por me trazer alegrias
Por me fazer ser melhor
Por me permitir viver
Os anos com alegria
Em especial neste dia
Em que completo mais um
E poder comemorar
Junto com minha família
Mais um ano de minha vida
Obrigada aos meus amigos
Flores que me encantam
No jardim do meu viver
Eu os saúdo a todos
Por meio da poesia
Com palavras de carinho
E com imensa alegria.

                              Fran Sousa

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Uma saudade apenas

[Foto de Sonival Marinho]


Em terras distantes
Sonhos distantes
Permeiam meu dia.

E nas águas claras
Calmas e reluzentes
Um fio de dor vagueia
Em tardes longínquas

No arrefecer do silêncio
Que cala a alma
Um grito compassivo de espera.

                                   Fran Sousa

domingo, 11 de dezembro de 2011

Por do sol

[Foto extraída do google]


Por do sol
A palavra que não sai
Entalada na garganta
No olhar uma cumplicidade
No gesto de carinho
A certeza da alegria
Contida no olhar sereno.

E brilhante como os raios
É o desejo de liberdade
De viver a cada dia
A certeza da eternidade
No dourado do amor sem fim.

                                Fran Sousa

   

sábado, 10 de dezembro de 2011

Devaneios do coração

[Foto extraída do google]


Um desejo secreto
Move-se aqui dentro
Saudade do que não foi
Com vontade de ter sido

Um lugarzinho só nosso
Jardim de flores suspensas
Em jarros de amor sem fim

E o desejo é tão secreto
Quão secreto é o coração
Nos arroubos da paixão.

                  Fran Sousa

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lágrima silenciosa

[Foto extraída do google]


Do meu âmago
Escorre um fio de dor
Contido numa saudade.

Uma lágrima teimosa
Não obedece as circunstâncias
E desce de leve
A ladeira da solidão
Empoça na barreira da distância
E afoga o meu grito de saudade.

                                     Fran Sousa